sábado, 5 de setembro de 2015

Tiros no Escuro

Provavelmente, este será um dos posts mais agressivos deste blog. Porque apesar de toda a calma eu também sou uma pessoa que, por vezes, deixa que a pele comece a ferver e os meus pensamentos dão nisto. Será curto e simples.

Estou farto. Cansado de muita coisa na minha vida. Apesar de tudo, luto para que possa viver em paz e harmonia, principalmente com os outros. Não há um único dia em que não tenha algo para dizer de negativo sobre uma situação ou outra, uma pessoa ou duas. Tenho sempre, mas não o faço. Gosto demasiado da paz e do sossego que o silêncio me dá. Porém, há dias melhores e piores e hoje, é um desses dias. Eu falhei com, digamos, uma promessa. Eu não falho com promessas! E não há pedido de desculpas que me faça sentir mais leve ou aconchegado. Não há. Falhei, vou fazer para que não volte a falhar, mas esta culpa fica aqui, comigo, pois falhei. A juntar a isso tive um acto de irresponsabilidade que me pode custar o futuro. Sim, um erro que não devia ter cometido. Mais um para juntar a outros tantos. Falhei e, se já devia ter mudado, ainda não mudei.

Outra coisa que não suporto é o típico desprezo. Do género, se não querem falar comigo, digam logo de uma vez por todas que não querem! Se só precisam de mim quando sentem o mundo a fugir-vos por baixo dos pés, sejam sinceros, e digam-no! Parem de me dizer que sou boa pessoa, que sou óptimo, que sou o melhor, que sou forte...poupem o vosso latim! Ou estão comigo como um todo ou não estão de todo. Eu já tenho demasiado com que batalhar na minha própria cabeça, não preciso de batalhar contra os outros e, acima de tudo, batalhar as lutas dos outros. Se querem que seu seja mais directo? Pois bem, deixem-me sozinho! Poupem-me ao acreditar que são pessoas diferentes e em quem eu posso confiar!

Também não gosto de ficar à espera por uma resposta que se pretende instantânea. Sou justo, há casos em que tenho de esperar por uma resposta, mas de resto, se fosse para demorar, mandava via pombo-correio ou ia entregar a mensagem pessoalmente. Realizo que isto é um bocado estúpido e a minha reacção tem a sua piada, mas penso que não sou o único a sentir-se assim.

Por último, algo que me persegue, já lá vão anos e anos. Há uma coisa que odeio: traições. Odeio que trai, odeio quem ajuda a trair e odeio quem faz isso. Sou alguém que valoriza os compromissos e prefiro um sincero "desculpa, mas não dá", por muito que isso possa doer, do que um "não te queria trair" ou "isto não é o que parece" ou ainda um "foi um momento de fraqueza". Sejam homenzinhos e mulherzinhas para admitir os vossos erros e tenham ainda a coragem necessária para serem sinceros! E a juntar a isto, não suporto ciúmes sem motivo. Durante longos anos tive amigos com ciúmes de mim por eu falar com as suas namoradas. Eu nunca dei motivos para isso! Nunca! E continuo a não dar motivos para quem os namorados das minhas amigas tenham ciúmes de mim! E também não dou motivos a ninguém, amigo ou não, para ter ciúmes de mim, ou do que faço ou do que quer que seja. Eu fui educado a respeitar os outros, mas nunca respeitei ninguém acima dos meus valores. Os meus valores são sagrados para mim e isso envolve o respeito pelos outros.

Por vezes, canso-me disto tudo e desabafo. Raramente publico os meus desabafos deste género. Hoje é a excepção. Espero que tenham aprendido um bocadinho sobre mim e que possamos agora conviver como duas pessoas. Porque eu estou farto disto. Amanhã, quando acordar, já tudo isto passou e estarei mais tranquilo. Agora não.

Sem comentários:

Enviar um comentário