terça-feira, 29 de julho de 2014

Ele e o Mundo - Escrita Livre #1

«No fundo, o que importa e será sempre verdade, é que mesmo nos piores momentos, tudo pode mudar numa fracção de segundos; uma pessoa, um gesto, um objecto, uma palavra, um silêncio ou um olhar»

"Ele só queria que o mundo acabasse. Ao acabar o mundo, acabava tudo o que o perturba. Não ao mundo, mas a ele. Porque ele está cansado. Tanto percorreu, tanto que podia ter alcançado, mas perdeu tudo. Perdeu a esperança, perdeu o acreditar, perdeu os sonhos, perdeu a própria realidade; ele perdeu o mundo e o mundo perdeu-o.

Foi durante a sua maior derrota que procurou abrigo num local isolado. Isolou-se do mundo, isolou-se das gentes, isolou-se de si próprio. Aos poucos, cada vez mais distante, conseguia isolar-se da sua condição humana, tornando-se alguém insensível, capaz de disfarçar todo e qualquer tipo de sentimento sem no entanto o sentir.

Até ao dia em que se começou a rever nos outros. Começou a rever os seus defeitos e as suas virtudes, começou a ver os erros e tentou evitar os outros de o fazer. No meio de tanto isolamento não se conseguiu desprender de si mesmo tanto quanto ambicionava e pensava. E foi nesse momento que alguo o fez despertar. Após tantas voltas, algo o faria ver que, pelo menos, uma ténue parte do mundo não desistiu dele quando o podia ter feito bem antes de o conhecer. E é por isso que hoje em dia, ele se agarra com toda a força que tem a essa parte tão ténue do mundo. É tudo o que lhe interessa, pois foi essa parte tão pequena e insignificante para todo o mundo, menos para ele, que lhe devolveu a capacidade de sonhar, a capacidade de acreditar, a realidade e um novo ânimo.

Porque ele está cansado do mundo e o mundo desistiu dele; pelo menos na sua maioria porque aquela ínfima e ténue parte do mundo que não desistiu...essa terá toda a força que ele tiver e ele nunca irá desistir dela como o mundo desistiu dele."

- Espero que tenham gostado deste pequeno texto. Porque há dias assim, em que me desligo da realidade e deixo que a imaginação escreva, escreva e escreva...


Sem comentários:

Enviar um comentário