terça-feira, 9 de junho de 2015

Tu nem imaginas como...

...gosto de ti. Sabes, como se gosta de uma pessoa, mas não de uma pessoa qualquer. Gosto de ti, como uma pessoa gosta inexplicavelmente de outra. Não sei bem quando é que comecei a gostar de ti. Pelo contrário, sei o porquê de gostar de ti. A ilusão de um pensamento mais negativo poderia dizer-te que gostei de ti pela tua fragilidade, por estares tão magoada como eu estava. Fazer de duas dores um ponto comum entre duas pessoas...o motivo mais cliché de sempre, mas que acontece. Porém, não foi isso que me fez gostar de ti. A única coisa que isso fez, foi aproximar-me de ti e ler-te como tu merecias ser lida. Ler-te como eu gostava que me lessem a mim. Sem segredos, sem perguntas, sem nada. Um simples olhar nos olhos e ver para lá do que demonstras. Eu tornei-me bom nisso. Bom o suficiente para evitar as pessoas o mais que consigo. Lá terei perdido muito, mas nem isso me assustou. Acontece que gosto de ti por causa de outros clichés. Um problema poderia ser o facto de eu não gostar de clichés. Não gosto, mas repara que foi na procura de algo diferente que comecei a gostar de ti. Eu encontrei esse algo diferente, esse algo que nos conecta a uma mesma linha de pensamento.

Gostei de ti a primeira vez que olhei para ti. Não posso negar isso. Nem quero, para te ser sincero. Porque eu vi algo, para além de te ter visto a ti. Vi algo que me pareceu ser a 'coisa' mais certa para mim. Gostava de estar certo. Gostava de um dia poder dizer-te que estava certo. Dizer-te o que era esse algo que vi. Aliás, eu comecei este texto por dizê-lo. Gostava que o tempo confirmar-se que esse 'ti' és tu. Mas sei que tu nunca irás perder o teu tempo a olhar para mim. Tu irás olhar para todos os lados menos para o lado em que eu estiver. Eu nada posso fazer. A única coisa que irei fazer é continuar a teu lado, a cuidar de ti sem tu saberes, a ser o (a)braço que te segura e te impede de cair e que te irá fazer sorrir em qualquer altura. Serei aquele que te vai dizer, sempre que estiveres a sorrir por causa de outra pessoa, para me deixares para trás e te preocupares apenas e só contigo e com a tua felicidade. Vou mentir-te. Vou dizer-te que estou bem, vou fazer para que tu penses que sou forte e que nem o mundo inteiro é suficiente para me derrubar, mesmo quando um simples sopro seja forte o suficiente para que eu caia. Sem estrondo. Mas para ti serei o mais forte. Serei algo que tu também queres para ti e eu vou dizer-te que não. Repara, eu gosto de ti ao ponto de te proteger de ti e de mim. Gosto de ti ao ponto de te dizer que tu não tens de suportar o peso do mundo e que eu faço e farei sempre por ti. E tu, de coração cheio e acarinhada com tamanha preocupação, vais acreditar em mim e vais deixar-me ajudar-te, mesmo quando eu não me sei ajudar a mim próprio.


Tu nunca irás olhar para mim, mas eu queria que soubesses que gosto de ti.


Sem comentários:

Enviar um comentário