segunda-feira, 1 de junho de 2015

Uma Lua de Papel

Olá minha pequena. 

Como estás hoje? Estás com aquele sorriso que eu tanto te disse que era o melhor? Será que sempre que sorris te lembras de todas as vezes que te disse que um sorriso bonito não foi feito para estar escondido? Eu espero que sim, porque isso significaria que eu não falhei. Ora, hoje escrevo-te para te trazer algumas recordações e algumas revelações. Espero que no final continues a olhar para mim como eu sempre tentei fazer para que olhasses. Isso significaria que me tornavas o coração ainda maior do que aquilo que ele já é.

Sempre fiz tudo ao meu alcance por ti e por esse teu pequeno, mas enorme, sorriso. Ajudei-te quando tentavas andar e não conseguias, tentei ser o mais presente que conseguia e mesmo assim sinto que foi pouco, enchi o tecto do teu quarto com pequenos brilhantes e uma lua de papel para que pudesses deitar-te sobre um "céu estrelado" todas as noites...foram tantas as pequenas coisas, mas tudo foi feito com amor e carinho. Quis fazer de tudo para estimular a tua curiosidade e toda a tua criatividade. Deixa-me que te diga, para além da mulher inteligente que és hoje, continuas com a mesma capacidade de inventar coisas de forma tão natural e espontânea. Fazes-me lembrar a mim quando eu era mais novo, sempre carregado de ideias. E fazes-me lembrar a tua Mãe, sempre mais activa que eu. É uma das coisas que gosto nela, é o facto de puxar por mim.

Depois veio a escola e as amizades e tu, sempre feliz, sempre a destacar-te como a melhor, mas nunca deixaste que isso te subisse à cabeça. Sempre humilde e sempre a tentar ajudar os outros. E quando não conseguias, lá aparecias a chorar perto de nós. Ainda hoje te consomes por dentro por causa disso. Pequenita, sei que sempre te enchemos de sorrisos, mas a vida não é só boas pessoas. Não cometas é o mesmo erro que eu e a tua querida Mãe cometemos. De tanto nos preocupar-mos com os outros, esquece-mo-nos de nos preocupar connosco. Conseguimos chegar aqui, eu sei, mas podia não ter acontecido. Explora o teu potencial como nós não o fizemos, ok?

As memórias, ai as memórias. O teu primeiro amor, as mudanças de escola, as amizades que foram ficando e aquelas que partiram. Isso foi o crescer. E nunca estiveste sozinha. É isso que eu quero que te lembres todos dias, hoje, que estás uma mulher. Fazes-me lembrar a tua Mãe, também ela teimosa para as coisas boas e quando dizia que fazia, não parava até acabar. De mim, levas os sonhos. Levas tudo o que complementa os teus Pais, já viste? Foste a pessoa certa para o teu irmão e vocês são inseparáveis. Nós sempre quisemos que assim fossem, tanto que ele acabou por te proteger sempre, assim como tu sempre estiveste do lado dele e tornaste-o melhor pessoa.

Filha, hoje vou encher o meu quarto com estrelas e uma lua de papel. Hoje, quando eu e a tua Mãe fecharmos os olhos sobre este tecto estrelado, vamos sonhar contigo e com o teu irmão. Eu, a ver-vos a brincar na rua, através da janela. A vossa Mãe a aparecer a meu lado e a dizer-me que devia ver o brilho nos meus olhos, só para eu lhe responder que o brilho também é dela, porque hoje sinto-me cheio. Hoje sinto-me feliz. Hoje tenho tudo o que sempre quis.

Serás para sempre a minha pequenita e a verdadeira Princesa que tomou de assalto o reinado que é o meu coração.

Sem comentários:

Enviar um comentário