segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Sonhei contigo...

É inexplicável o que uma noite pode fazer com a cabeça de uma pessoa. Pelo menos com a minha cabeça. Sou daquele tipo de pessoas que passa um dia inteiro, até à exaustão a pensar no significado daquilo que sonhei na noite anterior. Procuro perceber o porquê do que sonhei, das pessoas com quem sonhei, da forma como me relacionei com elas nos sonhos. Perco a noção das horas em que a minha cabeça anda à volta com estes pensamentos. Horas. Dias. Dura tanto ao ponto de querer voltar a eles todas as noites. Porém, sonhos são como fumo e uma vez que eu acorde, não há volta para esse sonho. Sonhar com alguém é algo raro para mim. A maioria dos meus sonhos envolvem-me a mim, sozinho, em situações das quais não consigo sair. Porém, quando sonho com alguém, só existem três vertentes: ou estou a ser feliz, ou estou a dar a minha vida em troca pela vida e felicidade desse alguém ou, em último caso, estou a ser despedaçado por esse alguém. Desta vez venho-vos contar sobre o primeiro caso, ou seja, eu estava a ser feliz.

Sonhei com uma rapariga que conheço, que vejo quase todos os dias. Conheci-a há qualquer coisa como três anos. Já tinha sonhado com ela algumas vezes, mas foi sempre de passagem. Qual a diferença desta vez? É que ela não estava de passagem. Ela estava para ficar. Ela, eu e o mundo para conquistar. Lembro-me de acordar com um sorriso estúpido na cara. O mesmo sorriso estúpido com o qual sentia que estava durante o dito sonho. O mesmo sorriso que ela tinha...estúpido, mas perfeito. Até que acordei. Devia ter-me levantado da cama e feito a minha vida, em vez de me atrasar para os meus compromissos porque cometi o erro de tentar voltar a sonhar com ela. Não consegui.

hplyrikz:

More hereQual é o problema no meio disto tudo? O problema é que esta rapariga não é uma rapariga qualquer. Ultimamente temos falado muito pouco, quase nada, desde um pequeno episódio que abalou a minha confiança, numa altura em que eu não precisava disso. Talvez até seja culpa minha por ver fantasmas onde eles talvez não existam. Mas pergunto-me...porquê com ela? Eu não consigo negá-lo, eu adoro-a. Talvez mais do que ela imagina ou sabe. Apesar de tudo, de me sentir magoado, eu continuo a querer o melhor para ela e que ela seja feliz. Já cheguei a pensar que talvez eu pudesse fazê-lo, mas não me acredito. Não que ela seja demais para mim...ela apenas não me consegue ver a mim como eu a consigo ver a ela. Não estou apaixonado, mas bastava que ela se apaixonasse e eu apaixonava-me por ela. O que me leva a pensar: ou estamos ambos a esconder algo demasiado bem um do outro e não devíamos ou eu estou outra vez a ver a pessoa perfeita no lugar errado.

De qualquer forma, como se diz hoje em dia ela "não é da minha liga". Não é achar-me mau. Apenas acho que ela está uns níveis acima de mim. E eu já lhe disse isso...

"Não me vês, não me ouves. Se ao menos sonhasses..."

Sem comentários:

Enviar um comentário